TEMPO

Bragança-1-2

O tempo é
O semblante!
E o semblante
É o tempo…

Um finda-se
No horário
E no ponteiro
Do outro…

O semblante…
(Velho) morre
A clamar por tempo…

E o tempo…
(Novo) vive
A clamar por semblantes!

(Rodolpho Moraes)